top of page

Porque se fala tanto em "Relacionamento Aberto"

Os relacionamentos abertos têm se tornado cada vez mais discutidos e explorados na sociedade contemporânea. Enquanto os relacionamentos tradicionais são baseados em exclusividade e monogamia, os relacionamentos abertos propõem uma dinâmica onde os parceiros têm a liberdade de explorar outras conexões afetivas e/ou sexuais. Neste artigo, vamos abordar reflexões filosóficas e psicológicas sobre o tema dos relacionamentos abertos, explorando questões como liberdade, ciúme, confiança e o significado do amor.


Aqui você vai ler:






Espero que você goste desse artigo. Não deixe de comentar e compartilhar esse post!


O que é um relacionamento aberto e quais as características dele,
Relacionamento aberto

O que é uma Relação Monogâmica?


Uma relação monogâmica é um tipo de relacionamento no qual há exclusividade e compromisso entre dois parceiros. Nesse tipo de relacionamento, ambos os parceiros concordam em serem exclusivos um do outro, tanto emocionalmente quanto sexualmente, e não têm envolvimento íntimo ou romântico com outras pessoas.


O que é uma Relação não Monogâmica?


Uma relação não monogâmica não existe exclusividade sexual ou emocional entre os parceiros. Nesse tipo de relação, os indivíduos envolvidos têm a liberdade de se envolverem romanticamente ou sexualmente com outras pessoas, desde que haja consentimento e acordos claros entre todos os envolvidos. A não monogamia pode assumir várias formas, como relacionamentos abertos, poliamor, swinging, entre outros, e cada relação não monogâmica é única e baseada em acordos personalizados estabelecidos pelos parceiros.


O que é um relacionamento aberto?


Um relacionamento aberto é a relação romântica ou afetivo no qual os parceiros concordam em permitir atividades ou envolvimento emocional com outras pessoas fora do relacionamento principal. Nesse tipo de relacionamento, os parceiros geralmente estabelecem acordos claros e comunicam suas expectativas e limites. Isso pode incluir a permissão para ter encontros casuais, relacionamentos íntimos ou mesmo envolvimento emocional com outras pessoas. Os relacionamentos abertos são baseados na confiança, comunicação aberta e honestidade entre os parceiros. É fundamental que ambos os parceiros estejam de acordo com a natureza aberta do relacionamento e estejam confortáveis com a ideia de que cada um possa ter experiências fora do relacionamento principal.


Existe ciúme em um relacionamento aberto?

Sim, o ciúme acontece em relacionamentos monogâmicos e não monogâmicos. O ciúme é uma emoção natural que surge quando uma pessoa sente medo de perder a atenção, o afeto ou a conexão emocional com seu parceiro para outra pessoa. O ciúme pode surgir devido a sentimentos de insegurança, comparação, medo de abandono ou preocupações relacionadas à intimidade emocional ou sexual.


Quais são as regras para um relacionamento aberto?


Não existe um regra que vai se aplicar a todos os relacionamentos. Cada relacionamento é único e pode variar amplamente em termos de regras e limites estabelecidos pelos parceiros envolvidos.


Todo relacionamento têm uma espécie de contrato, com regras que impactam o que pode ou não ser feito na relação. Em um relacionamento monogâmico, uma relação sexual fora do casamento é uma "quebra de acordo" e aquele que quebrou o acordo é chamado de infiel. Nas relações não monogâmicas o infiel pode ser aquele que se relacionou emocionalmente, que repetiu o parceiro, que dormiu fora de casa e atc.


O que determina as regras de qualquer relacionamento é esse contrato. O "contrato" é um acordo mútuo (quase sempre informal) estabelecido entre os parceiros é importante tanto em relacionamentos monogâmicos quanto não monogâmicos. Aqui estão algumas razões pelas quais um contrato é importante para a saúde de um relacionamento:


Comunicação e transparência:

Um contrato proporciona uma oportunidade para os parceiros comunicarem suas necessidades, desejos, limites e expectativas de forma clara e aberta. Isso promove a transparência e a compreensão mútua, permitindo que ambos os parceiros estejam cientes das expectativas um do outro.


Construção de confiança:

Estabelecer um contrato e cumpri-lo ajuda a construir confiança mútua no relacionamento. Ao definir acordos e limites claros, os parceiros têm a garantia de que serão respeitados e que suas necessidades serão levadas em consideração.


Manejo de conflitos e solução de problemas:

Um contrato pode servir como um guia para resolver conflitos e lidar com problemas que possam surgir ao longo do relacionamento. Ao ter um acordo estabelecido, os parceiros podem recorrer a ele para encontrar soluções e resolver questões de forma mais objetiva e menos emocional.


Estabelecimento de expectativas:

Um contrato ajuda a definir as expectativas de cada parceiro em relação ao relacionamento. Isso inclui questões como fidelidade, comprometimento, apoio emocional, divisão de tarefas, entre outras. Ter essas expectativas alinhadas desde o início pode evitar mal-entendidos e frustrações futuras.


Respeito mútuo

Ao estabelecer um contrato, os parceiros demonstram respeito um pelo outro, reconhecendo suas necessidades individuais e trabalhando juntos para encontrar uma dinâmica que funcione para ambos. Isso promove um ambiente saudável onde cada parceiro se sente valorizado e respeitado.


É importante lembrar que um contrato não é algo fixo e imutável. À medida que o relacionamento evolui, as necessidades e desejos dos parceiros podem mudar, e o contrato pode ser revisto e atualizado de acordo com essas mudanças. A flexibilidade e a comunicação contínua são fundamentais para a saúde de qualquer relacionamento, independentemente de ser monogâmico ou não monogâmico.


Por que se fala tanto em relacionamentos abertos ultimamente?


Nos últimos anos, tem havido um aumento no diálogo e na visibilidade em torno dos relacionamentos abertos. Esse aumento pode ser devido às mudanças culturais e sociais, maior aceitação e visibilidade, facilidade de conexão e/ou busca por satisfação pessoal. As normas e valores em torno dos relacionamentos estão mudando e as pessoas estão questionando conceitos tradicionais de relacionamento e buscando formas mais personalizadas de viver sua vida amorosa. Assim como a crescente conscientização e aceitação da diversidade de relacionamentos, as pessoas se sentem mais encorajadas a falar abertamente sobre suas experiências e isso pode levar a uma maior exploração de diferentes formas de relacionamento. E por fim, as pessoas estão buscando formas de relacionamento que atendam melhor às suas necessidades e desejos individuais. Para alguns, a não monogamia consensual oferece uma oportunidade de explorar conexões emocionais e sexuais fora do relacionamento principal, enquanto ainda mantêm uma base de segurança e compromisso. As características mais relatadas nas relações não monogâmicas são:



1. Liberdade e Autonomia

Um dos princípios fundamentais dos relacionamentos abertos é a valorização da liberdade individual e da autonomia dos parceiros. Através dessa abordagem, questiona-se a ideia de que um único relacionamento pode suprir todas as necessidades emocionais e sexuais de uma pessoa. Nessa perspectiva, os relacionamentos abertos podem ser vistos como uma forma de buscar a plenitude pessoal e a realização individual, permitindo que cada parceiro explore suas próprias experiências e relacionamentos adicionais.


2. Desafios e Oportunidades

Os relacionamentos abertos também trazem consigo desafios únicos. A principal questão que surge é o ciúme e a insegurança emocional. Afinal, compartilhar o parceiro com outras pessoas pode desencadear sentimentos de medo, inadequação e ameaça. No entanto, quando abordados de forma saudável, os relacionamentos abertos também oferecem oportunidades para o crescimento pessoal e para a evolução dos vínculos afetivos. É uma chance de explorar novas formas de intimidade, fortalecer a comunicação e desenvolver uma maior compreensão de si mesmo e do outro.

3. Confiança e Comunicação

A base de qualquer relacionamento é a confiança e a comunicação aberta. Nos relacionamentos abertos, esses elementos se tornam ainda mais cruciais. É necessário um alto nível de comunicação entre os parceiros, compartilhando suas emoções, necessidades e limites. A confiança mútua é essencial para a sustentação do relacionamento, garantindo que todas as partes envolvidas se sintam seguras, respeitadas e apoiadas em suas escolhas e vivências.

4. Amor e Compatibilidade

Uma reflexão filosófica e psicológica sobre relacionamentos abertos levanta questões profundas sobre o significado do amor e da compatibilidade. Será possível amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo? Os relacionamentos abertos desafiam a ideia de que o amor é uma quantidade finita e limitada. Através dessa abordagem, é explorada a possibilidade de que o amor seja expansivo e capaz de se manifestar em diferentes formas e direções. Além disso, a compatibilidade torna-se uma questão importante, pois os parceiros precisam encontrar um equilíbrio entre suas necessidades individuais e as necessidades do relacionamento.

5. Autoconhecimento e Crescimento

Os relacionamentos abertos podem ser uma jornada de autoconhecimento e crescimento pessoal. Ao questionar as normas sociais e os padrões estabelecidos, os indivíduos são desafiados a explorar suas próprias crenças, desejos e limites. É uma oportunidade para aprender mais sobre si mesmo, seus valores, desejos e o que é importante em um relacionamento. Através dessa jornada, os envolvidos podem desenvolver uma maior consciência de si mesmos e de suas necessidades, fortalecendo sua capacidade de estabelecer relacionamentos saudáveis e autênticos.

Conclusão


É importante destacar que, embora haja um aumento na visibilidade e na discussão em torno dos relacionamentos abertos, as relações monogâmicas ainda são consideradas um "padrão", os números são bem superiores, quando comparado com as relações não monogâmicas. Da mesma forma, os relacionamentos abertos, não são adequados para todos. Existem muitos casos de casais que literalmente afundaram o casamento depois de "abrir" a relação. Cada pessoa e casal tem suas próprias preferências e necessidades, e a escolha de um modelo de relacionamento deve ser baseada no consentimento, na comunicação aberta e no respeito mútuo. Os relacionamentos abertos despertam reflexões filosóficas e psicológicas profundas sobre a natureza dos relacionamentos, liberdade, confiança, comunicação, amor e crescimento pessoal. Cada pessoa tem suas próprias necessidades, desejos e limites. Portanto, é essencial que os parceiros discutam abertamente seus sentimentos, expectativas e limites antes de decidirem adotar um relacionamento aberto. Ao explorar essas questões, os indivíduos têm a oportunidade de redefinir as normas e padrões tradicionais, encontrando formas de relacionamento que sejam mais autênticas e alinhadas com suas necessidades e desejos individuais.

Cada pessoa é única, e a escolha de um relacionamento aberto ou tradicional deve ser baseada na compreensão e respeito mútuos, na busca pela felicidade e no crescimento pessoal.


Gostou desse artigo. Não deixe de comentar e compartilhar esse post!


Quer tirar alguma dúvida comigo? Clique no botão abaixo e fale comigo agora mesmo!




Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page